fbpx

Validação dos testes de limites microbianos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Por Claudio K. Hirai*

As farmacopeias requerem que os testes de ensaio limite microbiano que serão utilizados na rotina do controle de qualidade do produto em análise.

A validação do ensaio deve demonstrar que o produto não inibe os possíveis microrganismos contaminantes que possam estar presentes.

De maneira geral a validação deve ser realizada com amostras diluídas do produto que são contaminadas separadamente, com culturas de Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Salmonella , Candida albicans e Aspergillus brasiliensis.

Com a utilização destes microrganismos a validação deve demonstrar a capacidade do método em recuperar os mesmos que poderiam estar presentes no produto como contaminantes.

A validação do ensaio é necessária somente uma vez a menos que a formulação do produto seja alterada ou o processo de fabricação sofra alguma alteração.

Durante o desenvolvimento do produto/excipiente é essencial que o microbiologista tome conhecimento do produto; por exemplo, como o produto será utilizado, a via de administração, a dose, a solubilidade, o pH, a atividade de água, se o mesmo possui atividade antimicrobiana etc.

De maneira geral as Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos (RDC 17/2010) devem ser observadas de maneira a se obter um produto seguro e eficaz.

O Code of Federal Regulations dos EUA tem como requerimento;

  • Cada lote de matéria prima, produto terminado embalagens com potencial de contaminação microbiana deve ser submetido a análise microbiológica antes do uso.
  • Procedimentos escritos, com o objetivo de prevenir ou garantir a ausências dos microrganismos contaminantes dos produtos não estéreis, devem ser estabelecidos e seguidos.
  • A detecção de microrganismos contaminantes em produtos farmacêuticos não estéreis deve ser avaliada em termos da finalidade de uso do produto, a natureza do produto, e o potencial de contaminação do microrganismo detectado com relação ao paciente/consumidor.
  • É desejável testar todos os lotes de produtos não estéreis cuja especificação seja livre dos microrganismos indesejáveis. Caso os ensaios não sejam realizados, ou não validados ou o microrganismo isolado não seja identificado existe o risco sanitário do produto.

Com relação aos excipientes utilizados na indústria farmacêutica, na maioria delas as farmacopeias não tem na monografia uma especificação quanto a contaminação microbiológica.

Neste caso deve-se utilizar um critério baseado na análise de risco para se determinar a necessidade de realização dos testes microbiológicos.

Devemos verificar os seguintes itens;

  • Quantidade do excipiente que entra na formulação do produto.
  • Verificar a influência da quantidade do excipiente na biocarga do produto final.
  • Qual é a natureza do excipiente (vegetal, animal ou sintético).
  • O processo de fabricação favorece a redução da carga microbiana?
  • Qual é a atividade de água?
  • O excipiente possui atividade antimicrobiana?

Estas informações servirão para embasar a especificação do excipiente, com o desenvolvimento da metodologia e a validação do método.

Caso a monografia não exista nos compêndios, verificar o capítulo 5.5.3.1.5 Limites microbianos (Tabela 1) da Farmacopéia Brasileira 5º edição () que define os critérios de aceitação para produtos não estéreis.

Dependendo do produto e da sua aplicação, é possível que seja necessário a pesquisa de outros microrganismos adicionais que não estão listados na Farmacopéia Brasileira 5º edição, sendo recomendado que todos os microrganismos isolados no produto ou excipiente sejam identificados de maneira a se avaliar a presença ou não de outros microrganismos patogênicos.

A Anvisa considera que os métodos farmacopéicos ou compendiais são considerados validados de acordo com a RE 899/2003, no entretanto, a adequabilidade do método na recuperação dos microrganismos deve ser estabelecida.

No próximo número descreveremos os outros itens de importância na validação microbiológica.


Referências bibliográficas

  • Farmacopéia Brasileira 5º edição
  • IVTnetwork.com/article/harmonized-microbial-limits-testing-vlidation-strategies

*Claudio Kiyoshi Hirai

Gerente Técnico Biolab

55 11 3573-2905

55 11 3573-6812

chirai@biolabfarma.com.br

www.biolabfarma.com.br


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Cora 100: espectrômetro portátil, rápido e compacto da linha Raman Cora

A Anton Paar apresenta o mais novo membro da família de espectrômetros Raman Cora: o espectrômetro Raman de mão Cora 100, rápido e compacto, é perfeitamente adequado para a

Colunas para cromatografia gasosa da Zebrom tem qualidade internacionalmente reconhecida

A Zebrom produz colunas para cromatografia gasosa (GC) desenvolvidas por cientistas especializados da Phenomenex com a melhor tecnologia do mercado. Como comprovação de sua eficiência, foi reconhecida com três prêmios

Linha SafePack do Grupo Polar mantem estabilidade sob temperaturas extremas por muito mais tempo

Novas tecnologias, que foram apresentadas na 24 ª FCE Pharma, foram desenvolvidas para manter e garantir estabilidade sob temperaturas extremas por muito mais tempo  

15ª edição da Analitica Latin America traz Rodada de Negócios: espaço reservado para a efetivação de negócios

Reprodução de Analitica Latin America A Analitica Latin America, visando proporcionar mais oportunidades de negócios aos seus expositores, preparou uma novidade para esse ano. No

Revista Analytica: a revista do controle de qualidade industrial

Na edição simbólica de número 100 da Revista Analytica, trazemos dois grandes artigos para fornecer bases científicas para todos que atuam na área. No ramo

Seções
Fechar Menu