Validação dos testes de limites microbianos

 

Por Claudio K. Hirai*

As farmacopeias requerem que os testes de ensaio limite microbiano que serão utilizados na rotina do controle de qualidade do produto em análise.

A validação do ensaio deve demonstrar que o produto não inibe os possíveis microrganismos contaminantes que possam estar presentes.

De maneira geral a validação deve ser realizada com amostras diluídas do produto que são contaminadas separadamente, com culturas de Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Salmonella , Candida albicans e Aspergillus brasiliensis.

Com a utilização destes microrganismos a validação deve demonstrar a capacidade do método em recuperar os mesmos que poderiam estar presentes no produto como contaminantes.

A validação do ensaio é necessária somente uma vez a menos que a formulação do produto seja alterada ou o processo de fabricação sofra alguma alteração.

Durante o desenvolvimento do produto/excipiente é essencial que o microbiologista tome conhecimento do produto; por exemplo, como o produto será utilizado, a via de administração, a dose, a solubilidade, o pH, a atividade de água, se o mesmo possui atividade antimicrobiana etc.

De maneira geral as Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos (RDC 17/2010) devem ser observadas de maneira a se obter um produto seguro e eficaz.

O Code of Federal Regulations dos EUA tem como requerimento;

  • Cada lote de matéria prima, produto terminado embalagens com potencial de contaminação microbiana deve ser submetido a análise microbiológica antes do uso.
  • Procedimentos escritos, com o objetivo de prevenir ou garantir a ausências dos microrganismos contaminantes dos produtos não estéreis, devem ser estabelecidos e seguidos.
  • A detecção de microrganismos contaminantes em produtos farmacêuticos não estéreis deve ser avaliada em termos da finalidade de uso do produto, a natureza do produto, e o potencial de contaminação do microrganismo detectado com relação ao paciente/consumidor.
  • É desejável testar todos os lotes de produtos não estéreis cuja especificação seja livre dos microrganismos indesejáveis. Caso os ensaios não sejam realizados, ou não validados ou o microrganismo isolado não seja identificado existe o risco sanitário do produto.

Com relação aos excipientes utilizados na indústria farmacêutica, na maioria delas as farmacopeias não tem na monografia uma especificação quanto a contaminação microbiológica.

Neste caso deve-se utilizar um critério baseado na análise de risco para se determinar a necessidade de realização dos testes microbiológicos.

Devemos verificar os seguintes itens;

  • Quantidade do excipiente que entra na formulação do produto.
  • Verificar a influência da quantidade do excipiente na biocarga do produto final.
  • Qual é a natureza do excipiente (vegetal, animal ou sintético).
  • O processo de fabricação favorece a redução da carga microbiana?
  • Qual é a atividade de água?
  • O excipiente possui atividade antimicrobiana?

Estas informações servirão para embasar a especificação do excipiente, com o desenvolvimento da metodologia e a validação do método.

Caso a monografia não exista nos compêndios, verificar o capítulo 5.5.3.1.5 Limites microbianos (Tabela 1) da Farmacopéia Brasileira 5º edição () que define os critérios de aceitação para produtos não estéreis.

Dependendo do produto e da sua aplicação, é possível que seja necessário a pesquisa de outros microrganismos adicionais que não estão listados na Farmacopéia Brasileira 5º edição, sendo recomendado que todos os microrganismos isolados no produto ou excipiente sejam identificados de maneira a se avaliar a presença ou não de outros microrganismos patogênicos.

A Anvisa considera que os métodos farmacopéicos ou compendiais são considerados validados de acordo com a RE 899/2003, no entretanto, a adequabilidade do método na recuperação dos microrganismos deve ser estabelecida.

No próximo número descreveremos os outros itens de importância na validação microbiológica.


Referências bibliográficas

  • Farmacopéia Brasileira 5º edição
  • IVTnetwork.com/article/harmonized-microbial-limits-testing-vlidation-strategies

*Claudio Kiyoshi Hirai

Gerente Técnico Biolab

55 11 3573-2905

55 11 3573-6812

chirai@biolabfarma.com.br

www.biolabfarma.com.br


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Seções
Fechar Menu