fbpx

Microbiologia: Staphylococcus epidermidis

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Por Claudio Kiyoshi Hirai*

O Staphylococcus epidermidis é uma bactéria Gram positiva, coagulase negativa, que é parte da nossa flora normal.   O microrganismo coloniza a pele humana e mucosas, notadamente as superfícies úmidas como as axilas, narinas, etc.  Consequentemente, é um patógeno oportunista, sendo um dos patógenos mais comumente associado a infecções hospitalares.

Os indivíduos mais suscetíveis a infecção são os pacientes submetidos a terapia intravenosa, recém-nascidos, idosos, aqueles que utilizam cateteres e outros produtos médicos como bolsas, respiradores, próteses etc.  O microrganismo produz um biofilme que age como um revestimento ao material plástico e células, e também causa resistência a fagocitose e resistência a alguns antibióticos.

O microrganismo produz um biofilme que é um filme hidrofóbico, adesivo aos biopolimeros de próteses, ponta de cateteres etc., favorecendo infecções como as endocardites.

O biofilme do Staphylococcus epidermidis consiste de clusters de células que estão mergulhados na substância extracelular (filme) de ate 160 micrometros de espessura.

O biofilme age ainda como barreira a difusão dos antibióticos e defesa imune.

As infecções estão associadas com os produtos médicos, tais como válvulas cardíacas, , próteses, cateteres e feridas.

As infecções de ponta de cateteres levam a episódios sérios de inflamação e secreção de pus.  A septicemia e endocardite são também associados com o S. epidermidis.  A sintomatologia inclue febre, fadiga, dispneia e anorexia.

A endocardite e uma infecção das válvulas cardíacas e partes da musculatura cardíaca.

Muito frequentemente o S. epidermidis contamina equipamentos hospitalares e superfícies ambientais, explicando a alta incidência em ambientes hospitalares.

Na indústria farmacêutica e cosmética, este microrganismo pode provocar a degradação do produto e representar um risco sério para os consumidores.

A contaminação do produto final é rara, sendo que na literatura são poucos os relatos.  Um artigo publicado por Campana e colaboradores, no qual foi estudado a contaminação de 91 produtos cosméticos, o S. epidermidis apareceu em somente dois casos, o primeiro em uma espuma de banho e outro em um shampoo.

Um outro artigo publicado por Almoffarreh e colaboradores, pesquisaram ambientes de ar condicionado sendo que o S. epidermidis encontrado em 20,7% das analises.

As espécies de estafilococos podem ser identificadas com base em suas características fenotípicas.

A maioria das colônias te um diâmetro entre 1 a 3mm, após 24 horas de incubação e de 3 a 8mm após 72 horas de incubação.  A colônia típica de S. epidermidis não apresenta pigmentação da colônia, é coagulase negativo, aparecem como cocos gram positivos (coloração roxa/azulada), dispostos em grupos ou como descrito didaticamente, em forma de “cachos de uvas”.

Para a correta identificação do S. epidermidis é necessário um número reduzido de provas (sete testes), envolvendo fermentação da xilose, sacarose, trealose, maltose e manitol, produção de hemolisina, crescimento anaeróbico em tioglicolato.


*Claudio Kiyoshi Hirai é farmacêutico bioquímico, diretor científico da BCQ consultoria e qualidade, membro da American Society of Microbiology e membro do CTT de microbiologia da Farmacopeia Brasileira.

Telefone: 11 5539 6719

​E-mail: té[email protected]

 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Gelita apresenta amplo e diferenciado portfólio de gelatinas de aplicação industrial na FCE Pharma

A Gelita, a empresa líder mundial no fornecimento de proteínas de colágeno para diversos ramos da indústria, participou da FCE Pharma 2019 colocando à mostra

Tecnologia, qualidade e menor custo: conheça softwares da Merck que prometem mudar a lógica da indústria farmacêutica

Presente na FCE Pharma de 2019, a Merck trouxe inovações que prometem mudar o curso da indústria farmacêutica: aliando tecnologia, produção e custos. Com mudanças

Equipamento de gerenciamento integral da cadeia fria: conheça Polar Tracker, da o Grupo Polar

Em um país como o Brasil, que possui uma variedade de temperatura tão grande, é um desafio manter a eficácia do medicamento durante o transporte

Honeywell lança linha de filme de barreira termoformável para embalagens farmacêuticas no Brasil

Nova linha de filmes de barreira com custo mais efetivo atende às necessidades da indústria por produção e entrega mais rápidas.   — A Honeywell

Contra cross-linking de cápsulas gelatinosas, GELITA destaca linha de produtos RXL na FCE Pharma

Além de ampliar shelf life das cápsulas gelatinosas, tecnologias patenteadas anti cross-linking da GELITA garantem ação mais rápida de medicamentos e suplementos, maior estabilidade, ou

Seções
Fechar Menu