Microbiologia: Cronobacter

Por Claudio Kiyoshi Hirai*

O Cronobacter é um bacilo Gram negativo que pertence à família Enterobacteriaceae. Este microrganismo era conhecido como o Enterobacter cloacae produtor de pigmento amarelo. Posteriormente, em 1980 a bactéria foi reclassificada como Enterobacter sakazakii.

Esta reclassificação foi o resultado de vários estudos, aonde as cepas de E. sakazakii foram separadas em grupos a partir de perfis obtidos por amplificação de fragmentos polimórficos fluorescentes de DNA, perfis de ribotipagem, análises de sequências gênicas completas de 16S RNA e hibridização DNA-DNA.

Desta forma foi proposto a sua reclassificação, dentro da família Enterobacteriaceae, como um novo gênero, Cronobacter spp., com quatro espécies, duas subespécies, e uma genomoespecie, que são:

  • Cronobacter sakazakii subsp. sakazakii,
  • Cronobacter sakazakii subsp. Malonaticus,
  • Cronobacter muytejensii,
  • Cronobacter dublinensis,
  • Cronobacter turicensis e;
  • Cronobacter genomoespecies 1.

Em virtude de outros estudos que foram publicados, atualmente o gênero Cronobacter é composto de 7 espécies:

  • sakazakii,
  • malonaticus,
  • dublinensis,
  • turicensis,
  • muytjensii,
  • universalis e;
  • condimenti.

Inicialmente foi reconhecido como um patógeno oportunista devido ao consumo de formulas infantis desidratadas.   E foi apontado como causador de meningite e septicemia neonatal.

Em 1961, foram descritos na literatura os dois primeiros casos de meningite causados pela bactéria.

Após esta data foram descritos, novos casos de meningite, septicemia e enterocolite necrotizante.

Muito embora a maioria dos casos envolvam crianças, existem na literatura, casos que descrevem infecções em adultos idosos, sendo que a maioria dos casos sejam devido a infecção urinaria.

De maneira geral, a taxa de mortalidade está na casa de 80%.

Muito embora a fonte do E. sakazakii seja ainda desconhecida, o numero crescente de relatos na literatura sugerem que as formulas infantis desidratadas sejam o veiculo para a infecção.

No Brasil, existem poucos relatos de contaminação em formulas infantis desidratadas comercializadas pelo microrganismo, sendo que o primeiro relato de surto ocorreu em 1997 na Unidade de Neonatologia do hospital de Clinicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

As amostras positivas para o Cronobacter foram: Queijo Minas Frescal, Queijo Prato, Alimento infantil a base de Cereal de aveia, Alimento infantil a base de cereais de milho, Alimento infantil de cereais de arroz, farinhas, temperos e condimentos, formulas lácteas em pó, formulas infantis, aveia em flocos, leite UHT, amido em pó.

Os métodos atuais de detecção e isolamento do Cronobacter spp.  utilizam o PCR e também metodologia tradicional com o uso de meios cromogenicos, para isolar e detectar a bactéria, visto que o PCR ainda e pouco utilizado pelos laboratórios.

A pesquisa de Cronobacter nas formulas infantis em pó pode ser realizada com alíquotas de 100 g. da amostra, diluição em tampão peptonado, centrifugação da amostra e semeadura em um meio comercial cromogênico (Agar R&F ou Agar DFI), incubar as placas a 35 +/- 2 C durante 18 a 24 horas verificando o aparecimento de colônias características.

Realizar a confirmação bioquímica utilizando os kits bioquímico scomo a o API, Crystal ou outros ou ainda automatizados como o Vitek, Biolog etc.


Referências bibliográficas:

  • BAM Bacteriological Analytical Manual Chapter 29 Cronobacter.
  • Freitas, L. G., Risori, C.A., Jakabi, M., de Paula, A., M.,R., Rowlands, R,E.,G.. Ocorrência de Cronobacter spp., (Enterobcter sakazakii) em alimentos infantis adquiridos em um hospital público. Ver. Inst. Adolfo Lutz. 2011;70(4);548-53.
  • Hunter, C.,J.,Petrosvan, M., Ford, H.,R., Prasadarao, N., Enterobacter sakazakii: A Emerging Pathogen in Infants and Neonates, Sur. Infec, 2008Oct; 9(5):533-539.

*Claudio Kiyoshi Hirai é farmacêutico bioquímico, diretor científico da BCQ consultoria e qualidade, membro da American Society of Microbiology e membro do CTT de microbiologia da Farmacopeia Brasileira.

Telefone: 11 5539 6719

​E-mail: técnica@bcq.com.br

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Seções
Fechar Menu