fbpx

A qualidade microbiológica das plantas medicinais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Por Cláudio Kiyoshi Hirai*

As plantas são utilizadas pelo homem desde os tempos imemoriais para fins alimentares e medicinais. Um tratado médico datado de 3700 A.C, escrito na China descreve as propriedades medicinais das plantas. Os egípcios há 1500 anos já utilizavam a mirra no embalsamamento dos mortos e outras plantas como medicamentos. Durante a idade média, os monges utilizavam as plantas como alimentos, bebidas e remédios.

No Brasil, os índios têm um profundo conhecimento da flora medicinal, retirando dela os mais diversos remédios, usados das mais diferentes formas.  A Amazônia abriga 50% da biodiversidade do planeta, sendo que milhares dessas plantas podem apresentar atividade farmacológica.

A utilização de plantas medicinais se encontra em expansão no mundo, apesar das novas tendências dos medicamentos biotecnológicos. A qualidade e a segurança dos produtos fitoterápicos são de suma importância para os pacientes que fazem uso destes medicamentos, visto que eles podem ser contaminados com vários contaminantes e resíduos nocivos a saúde das pessoas.

A carga microbiana das plantas medicinais sofre influências, que por sua origem podem ser contaminadas pelo solo, ar e água com um alto grau de patogenicidade. A contaminação microbiana ainda sofre influências das condições ambientais tal como a temperatura, umidade, volume de chuva, manipulação e condições de armazenamento das plantas etc.

Com o objetivo de minimizar os riscos de contaminação é desejável que sejam observados os princípios de higiene, padronização de algumas características físicas como a umidade e pH, e os níveis de contaminação microbiana.

A presença de contaminantes microbianos em produtos fitoterápicos podem reduzir ou inativar a atividade terapêutica dos produtos e podem provocar as toxi-infecções microbianas que utilizam estes medicamentos.

A contaminação biológica nos produtos fitoterápicos ou nos seus insumos, como as plantas e seus derivados vegetais, podem envolver, bactérias e seus esporos, fungos e leveduras, vírus, protozoários, insetos e outros.

Entretanto, os produtos resultantes do metabolismo microbiano, tais como toxinas provenientes dos bolores, podem afetar a saúde dos pacientes que utilizam estes produtos.  Os principais contaminantes dos produtos fitoterápicos podem ser atribuídos a bactérias mesofílicas, enterobactérias e os bolores e leveduras.

A contaminação dos produtos fitoterápicos por bacilos Gram positivos pode ser explicada pelo fato de que estes microrganismos produzem esporos que são termo resistentes.

O isolamento da Escherichia coli e outros coliformes podem ser atribuídos ao contato com o solo, as condições de umidade e temperatura. Por sua vez o isolamento do Staphylococcus aures é raro.

Os produtos fitoterápicos podem ainda ser contaminados com microrganismos tais como a Salmonella typhi, Shigella spp., Bacillus cereus, Aeromonas hydrophila, Enterobacter cloacae, Vibrio fluvialis, Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella spp. e outros.

Para a obtenção e garantia de um bom controle microbiológico é necessária a adoção das boas práticas de fabricação e controle, através do controle microbiológico em processo, controle da biocarga das matérias primas e controle do processo de fabricação com objetivo de minimizar os riscos da contaminação cruzada.

Nas plantas medicinais presença das enterobactérias é mais frequente nas sementes, raízes, caules e folhas.  Nas folhas novas as bactérias podem predominar, enquanto que os fungos e as leveduras podem aparecer nas folhas mais antigas.

Com as plantas dessecadas a população bacteriana migrará das bactérias Gram negativas para os esporos Gram positivos esporuladores e os fungos.

A utilização de folhas ou partes das plantas picadas, moídas ou extratos em pó utilizando extração alcoólica, alcalina, ácida hidro alcoólica ou extração aquosa reduzirão a carga de microrganismos do material botânico.

Os limites de aceitação dos níveis de contaminação microbiana para as matérias primas, e para os produtos fitoterápicos estão descritos na tabela abaixo:

 

Tipo de produto
Contagem total de bactérias aeróbias
UFC/g ou mL
Contagem total de Fungos/leveduras
UFC/g ou mL
Pesquisa de patógenos
Preparação para uso oral contendo matéria prima de origem natural
104102
Ausência de E. coli em 1 g, ou mL. Ausência de Salmonella em 10 g ou mL.Limite máximo  de 102 bactérias Gram negativas bile tolerante em 1 g ou mL.
Drogas vegetais que serão submetidas a processos extrativos a quente
107104
Limite máximo de 102 de E. coli  em 1 g . Limite máximo de 104 bactérias Gram negativos bile tolerante em 1 g ou mL. Ausência de Salmonella em 10 g.
Drogas vegetais que serão submetidos a processos extrativos a frio
105103
Limite máximo de 101 E. coli em 1 g.
Limite máximo de 103 bactérias Gram negativos bile tolerante em1 g, ou mL. Ausência de Salmonella  em 10 g.
Extrato seco
104103
Ausencia de Salmonella spp. E E. coli em 10 g.
Tintura, Extrato fluido
104103

Sobre o autor:

*Cláudio Kiyoshi Hirai

Gerente Técnico Biolab

55 11 3573-2905

55 11 3573-6812

[email protected]

www.biolabfarma.com.br


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Anvisa orienta sobre o C. auris, o superfungo que está preocupando autoridades. Veja aqui.

Ontem, por meio da revista NewsLab, divulgamos uma matéria detalhada sobre o Candida auris (leia aqui), o fungo multirresistente que está alertando autoridades de todo

Exclusivo: bioMérieux Brasil fala sobre garantia da integridade dos dados com testes microbiológicos automatizados

Veja material exclusivo da revista Analytica sobre a garantia da integridade de dados com Testes Microbiológicos feito pela empresa multinacional de biotecnologia bioMérieux. Autores: Dra.

Oportunidade: Bayer abre inscrições para Programa de Estágio em 2019

A Bayer, multinacional alemã com foco em Ciências da Vida, busca 40 jovens profissionais para seu Programa de Estágio Agro 2019, que está com inscrições

Poluição de Manaus causa impacto brutal na Floresta Amazônica, aponta estudo

Grupo de pesquisadores descobriram que a poluição de Manaus, capital do Estado do Amazonas, aumenta para além do esperado a formação de aerossóis produzidos pela

Oportunidade: UFSCar seleciona bolsista de pós-doutorado em Química

O Programa de Pós-Graduação em Química (PPGQ) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), uma das maiores universidades federais do país, está com inscrições abertas

Seções
Fechar Menu