fbpx

Pesquisadores desenvolvem enzima modificada que pode aumentar a produção de etanol de segunda geração

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O grupo de pesquisadores da Unicamp em parceria com outros pesquisadores do  Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), descobriram um fungo encontrado na Amazônia, da espécie Trichoderma harzianum, responsável por produzir uma enzima com potencial para compor coquetéis enzimáticos que viabilizem um aumento na hidrólise de biomassa.

Atualmente, a descoberta de enzimas que sejam capazes de aumentar a produção de combustíveis de segunda geração, como por exemplo o etanol, é cada vez mais importante, uma vez que neste processo o uso dos coquetéis enzimáticos atuam juntas para degradar e converter carboidratos  da palha e do bagaço da cana-de-açúcar, por exemplo, em açúcares simples.

Para tornar viável a enzima fúngica, os pesquisadores realizaram uma série de análises da estrutura da enzina, combinadas com técnicas de genômica e de biologia molecular, o grupo foi capaz superar os entraves e aumentar de forma significativa a eficiência no processo de degradação da biomassa.

Verificamos que a proteína modificada que desenvolvemos é muito mais eficiente do que a enzima não modificada e pode ser usada para suplementar os coquetéis enzimáticos comercializados hoje para a degradação de biomassa e produção de biocombustíveis de segunda geração”, disse Clelton Aparecido dos Santos, pós-doutorando no Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética da Unicamp Santos à Agência FAPESP.

No processo da pesquisa em busca por uma melhor eficiência, Santos analisou, em colaboração com pesquisadores liderados pelo professor Paul Dupree, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, a eficiência da enzima modificada em relação à liberação de glicose na conversão de diferentes fontes de biomassa vegetal.

Após tal estudo, as análises mostraram que a eficiência da enzima modificada é 300% maior do que na proteína selvagem, além de aumentar a estabilidade térmica da enzima durante o processo de fermentação.

Informações: Jornal da Unicamp 

O artigo “An engineered GH1 β-glucosidase displays enhanced glucose tolerance and increased sugar release from lignocellulosic materials” ( pode ser lido na revista Scientific Reports em www.nature.com/articles/s41598-019-41300-3.

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Quase invisíveis: novas técnicas analíticas detectam contaminantes emergentes e perigosos

TEXTO LUIZ SUGIMOTO | FOTOS ANTONIO SCARPINETTI | EDIÇÃO DE IMAGEM LUIS PAULO SILVA  Imprensa UNICAMP Os contaminantes emergentes são assim chamados porque falta legislá-los,

Prime Cargo completa 14 anos com soluções de logística de qualidade

Para falarmos sobre a importância da qualidade na logística, precisamos falar sobre a importância do sistema de gestão da qualidade.  A principal atividade do sistema de

Manutenção preventiva e corretiva de equipamentos de medição: conheça os serviços da Sartorius

Serviços Sartorius – seu equipamento sempre em sua melhor performance    A equipe de Serviços da Sartorius do Brasil está pronta para ajudar aos clientes

Trinity Biotech do Brasil inaugura fábrica para produzir reagentes e reduzir custos de compradores em importações

A Trinity Biotech do Brasil, cada vez mais comprometida com o mercado brasileiro, inaugurou uma fábrica em Extrema – Minas Gerais, localizada a pouco mais de 100 km do

Conheça a linha Sievers da Nova Analítica: precisão e máxima produtividade na análise de COT

Como fabricante líder mundial de analisadores e instrumentos analíticos de COT, fornecemos tecnologia, design, e qualidade superiores. Os analisadores de COT da Sievers cobrem um intervalo analítico dinâmico de 0,03 ppb até 50.000 ppm e

Seções
Fechar Menu