fbpx

Pesquisa da UFSCar aprimora funcionamento de microscópio in situ

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Estudo resultou em protótipo para monitoramento em tempo real da fermentação da cana-de-açúcar

A técnica da microscopia in situ é uma proposta para automatizar análises microbiológicas rotineiras em meios líquidos sem a necessidade de coletar, transportar e preparar amostras, como ocorre, por exemplo, em usinas de cana-de-açúcar para a produção do etanol combustível. Entretanto, reajustes frequentes da objetiva do microscópio limitavam seu uso em processos de longa duração.

Com o propósito de eliminar a necessidade de ajustes de foco durante a captura de imagens, Hajo Suhr, pesquisador da Hochschule Mannheim (Alemanha) e precursor da técnica da microscopia in situ, desenvolveu uma lente objetiva com resolução óptica submicrométrica que permite imersão direta na suspensão de microrganismos sob investigação, dispensando, portanto, a necessidade de ajustes de foco como ocorre em versões anteriores da técnica in situ. Apesar das vantagens da nova objetiva, seu desempenho é extremamente dependente do preciso posicionamento das lentes milimétricas que compõem a objetiva. Com isso, a busca pela reprodutibilidade do sistema óptico tornou-se um tópico de pesquisa no contexto da microscopia in situ.

Valdinei Luís Belini, professor do Departamento de Engenharia Elétrica (DEE) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), realizou seu pós-doutorado na Alemanha sob a supervisão direta dos professores Hajo Suhr e Philipp Wiedemann. Como integrou a equipe que desenvolveu a versão mais recente do equipamento, o professor da UFSCar focou seus estudos na resolução da montagem das lentes que compõem a objetiva do microscópio. “Havia uma dificuldade em integrar todas as lentes da objetiva e garantir que o equipamento funcionasse satisfatoriamente sempre que fosse montado”, lembra o pesquisador.

Assim, Belini desenvolveu um protótipo de microscópio in situ que possibilitou o posicionamento correto das pequenas lentes de maneira simples e robusta. Em termos práticos, essa construção significa que o instrumento pode capturar imagens continuamente durante longos processos de fermentação sem a necessidade de ajustes ópticos ou mecânicos, requisito essencial para a integração do instrumento ao sistema supervisório e de controle existente em plantas industriais de cana-de-açúcar. Em agosto deste ano, com apoio financeiro do Ministério para a Ciência, Pesquisa e Arte, do Estado de Baden-Württemberg, Alemanha, Belini visitou a Hochschule Mannheim para demonstrar e compartilhar a técnica da montagem com seus parceiros de pesquisa.

Monitoramento em tempo real

O microscópio in situ permite o monitoramento em tempo real de partículas e microrganismos diretamente do meio líquido, preservando, portanto, a esterilidade da suspensão. O instrumento pode ser utilizado para visualizar bactérias, leveduras, células animais, células sanguíneas, cristais, entre outros.

Um dos usos do microscópio in situ que vem sendo estudado por Belini desde 2012 é no controle de contaminações no processo fermentativo da cana-de-açúcar. “Contaminações afetam frequentemente a produtividade do etanol, uma vez que elas podem resultar na redução da viabilidade de leveduras fermentativas, produção excessiva de espuma e incompleta fermentação de açúcares”, detalha. “Em episódios severos de contaminação, o tratamento pode demandar o descarte de milhões de litros de substrato, causando, portanto, consumo adicional de insumos, água, energia elétrica, além do tempo e custo envolvidos na interrupção e limpeza dos sistemas afetados para o início de um novo ciclo de fermentação”, afirma o pesquisador.

“Um monitoramento mais eficaz pode contribuir para reduzir perdas e, assim, incrementar a eficiência da produção do biocombustível, pois a fermentação é o núcleo da produção do etanol e também o processo que mais acumula perdas”, diz Belini, que conclui: “As imagens microscópicas produzidas pelo instrumento constituem uma rica fonte de informações, pois capturam toda a estrutura visual da suspensão. Informações morfológicas de suspensões, particularmente se obtidas in situ e em tempo real, podem ser usadas para aumentar a eficiência da produção bem como reduzir impactos ambientais por meio da detecção precoce de atividades anormais de leveduras contaminantes”.


Imagem: Imagem do microscópio in situ / divulgação


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Seções
Fechar Menu