fbpx

Nanotecnologia é nova arma da ciência para descoberta precoce do câncer

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Pesquisadora brasileira tenta aprovação de nanosensores com os órgãos reguladores, como o FDA. Tecnologia de nanômetros também auxilia no desenvolvimento da química analítica.

Utilizada nas mais diversas áreas da ciência, a nanotecnologia é de extrema importância para oferecer soluções que, além de colaborar na qualidade de vida das pessoas, também busca alcançar curas e tecnologias que ressignificam a vida humana. A nanotecnologia é o estudo de coisas pequenas, geralmente com menos de 100 nanômetros de tamanho e que não são vistas a olho nu. Para se ter uma ideia, um fio de cabelo possui cerca de 70.000 nanômetros, e a nanotecnologia trabalha com elementos bem menores.

O conceito de nanotecnologia foi citado pela primeira vez em 1959 quando o físico norte-americano Richard Feynman já falava sobre uma tecnologia que manipularia átomos e moléculas, resultando em algo que não seria possível ser enxergado pelo homem. O termo só foi estabelecido nos anos 1990 e daí por diante os estudos da área começaram a avançar.

Atualmente, possuímos alguns importantes pesquisadores brasileiros que usam a nanotecnologia para conquistar avanços em áreas cruciais como a saúde. Priscila Kosaka, integrante do grupo “Pesquisadora ComFuturo (IMN-CSIC)”, criou um nanosensor que pode detectar o câncer nos pacientes antes mesmo do surgimento de sintomas, sem realizar nenhum procedimento invasivo, apenas analisando materiais sanguíneos. A pesquisadora criou o nanosensor em 2015 e relata que nestes últimos dois anos mais avanços foram encontrados.

“Estamos com projetos dedicados a descobrir biomarcadores específicos ao desenvolvimento do câncer em sangue usando o nosso nanosensor. Agora estamos centrados no câncer de mama, leucemia e câncer de pulmão, mas em um futuro queremos ampliar nossa lista de biomarcadores para outros tipos de câncer. Também estamos usando o mesmo nanosensor para a detecção do HIV. Já conseguimos um limite de detecção impressionante de apenas 10 ag/mL. Com essa sensibilidade temos potencial para reduzir a fase indetectável após infecção com HIV para apenas uma semana”, celebra Priscila.

A cientista está há seis anos na Espanha desenvolvendo sua pesquisa com nanosensores e, em parceria com empresas privadas, tenta aprovação com órgãos reguladores como CLIA e FDA para que o nanosensor chegue ao mercado no prazo de cinco anos. Priscila acrescenta que escolheu o país espanhol, pois precisa de uma estrutura muito bem projetada, além de uma equipe muito bem qualificada de engenheiros, físicos, químicos e biólogos, que elevam bastante o custo do estudo.

Ela acredita que o Brasil ainda precisa avançar mais em algumas áreas da nanotecnologia e oferecer mais campo aos pesquisadores. “Aqui, além dos projetos financiados pelo governo espanhol e pela comunidade europeia, também temos projetos com a Associação Espanhola de Combate ao Câncer (AECC) e um projeto muito interessante da Fundación General CSIC, chamado Com Futuro, que conta com a ajuda de empresas privadas. Acredito que minha pesquisa, em particular, não poderia ser realizada no Brasil, pelo menos por hora”, completa.

Como a nanotecnologia impacta na química analítica?

As duas ciências estão fortemente envolvidas e se complementam para apresentar avanços nas áreas em comum como a instrumentação nanotecnológica, nanometrologia, nanodispositivos e nanosensores que estão diretamente conectados com as ciências analíticas. Priscila também destaca outras vertentes em que os químicos analíticos podem desempenhar um papel importante, são elas: experiência para estudar os impactos ambientais e toxicológicos da nanotecnologia, desenvolvimento de processos industriais para a preparação de nanopartículas homogêneas, puras e bem caracterizadas e nanomedicina, em áreas como o desenvolvimento de nanosistemas para aplicações como medidas in vivo ou na caraterização e monitoramento de produtos farmacêuticos nanoestruturados.

De olho neste mercado, em setembro, a feira Analitica Latin America terá o inédito espaço NanoSoluções, realizado em parceria com a Nano Trade Show. O local tem como objetivo apresentar as últimas novidades em produtos e serviços relacionados à nanotecnologia. Este espaço surgiu da necessidade de oferecer ainda mais soluções para quem visita a feira, contribuindo para a sinergia dos dois setores, o que resulta em grandes negócios.

Um dos expositores que estreia no espaço é a Vonder, que apresentará um de seus novos lançamentos voltados à limpeza especializada, manutenção de tratamento e impermeabilização de diversos tipos de superfícies, agregando a nanotecnologia para um maior poder de limpeza em superfícies, desde a limpeza especializada e trabalhos de finalização na construção civil, até mesmo em tarefas diárias e corriqueiras na limpeza residencial ou comercial.

“A Linha de Limpeza e Impermeabilização da Vonder é prática e reúne moderna tecnologia biodegradável com fórmulas inteligentes, pH neutro e base d’água, identificando as moléculas de sujidade a serem removidas, sem iniciar um processo de oxidação da peça ou superfície. O diferencial da nanotecnologia é que o produto possui partículas muito pequenas que penetram onde outros produtos não alcançam e, por isso, oferece um poder de limpeza avançado com resultados muito melhores ao trabalho e resultado desejado”, explica Elisângela Durães, gerente de marketing da Vonder.
Todas estas tendências que envolvem o segmento de química analítica e nanotecnologia podem ser encontradas na Analitica Latin America, que acontece entre os dias 26 a 28 de setembro, no São Paulo Expo. Credencie-se para o evento e tenha acesso a conteúdos exclusivos e de relevância para o setor.


*Artigo realizado por: Comunicação Analitica Latin America


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Seções
Fechar Menu