fbpx

ITAL desmistifica perigos da carne

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Mitos assombram o consumidor na hora de comprar os alimentos. “Hoje temos muitas dúvidas sobre os alimentos processados no Brasil, aliás desde a produção. Um alimento é para o bem e outro para o mal. Isso não existe. Temos uma indústria séria e profissional que pensa na parte nutricional dos alimentos, nos processos, na qualidade e segurança, aplica pesquisa durante o desenvolvimento”, explica Luis Madi, Diretor Geral do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Especificamente depois da Operação Carne Fraca, os consumidores estão preocupados sobre que carnes consumir e como escolher uma de boa qualidade. “É importante ter em mente que a carne embalada a vácuo, especialmente se for maturada apresentará uma coloração arroxeada e isso é próprio do produto em função do processo de maturação e das características da embalagem que apresentam residuais baixos de oxigênio. Por outro lado, em até 30 minutos após a retirada da embalagem e exposta ao oxigênio, essa carne deverá apresentar coloração vermelha e uniforme”, declara Ana Lucia da Silva Corrêa Lemos, Pesquisadora e Diretora do Centro de Tecnologias de Carne (CTC) do ITAL.

Outros itens também influenciam como o aroma das carnes embaladas a vácuo, especialmente as maturadas. “Pode ser ligeiramente ácido ou de queijo, e isso é natural. Normalmente após a exposição ao oxigênio e volatilização dos compostos, esse aroma ficará pouco perceptível e não indica deterioração”, acrescenta Ana Lucia.

Vale destacar que aroma de ovo ou pútrido indicam que a carne está envelhecida e, ainda que não cause necessariamente danos à saúde, seu sabor e aroma poderão estar muito alterados e provocarão rejeição. “É muito importante diferenciar a deterioração da carne da segurança microbiológica que refere-se à presença de patogênicos, os quais na maior parte das vezes não promovem alterações sensoriais e para segurança dos consumidores, uma cocção cuidadosa é a única medida a ser tomada pelo consumidor”, alerta.

A deterioração também pode ser percebida pelas alterações na coloração da gordura. Ainda que a coloração da gordura possa variar em função da dieta do animal e até do tipo de músculo (corte cárneo). Uma coloração acinzentada indica que a carne está envelhecida.

Já a textura pegajosa em carnes in natura resfriadas também indica que a carne está envelhecida ou deteriorada, caso outras características estejam alteradas. É importante ressaltar que as temperaturas de refrigeração tem muito impacto no processo de deterioração da carne. Condições ideais de refrigeração (0-2º) mantém as características de qualidade da carne por um longo período quando embaladas a vácuo. “Mas à medida que ocorrerem elevações de temperatura, o processo de deterioração torna-se muito rápido. Carnes embaladas em filmes permeáveis apresentam alterações de qualidade, especialmente de cor, muito rapidamente. É importante deixar claro que a deterioração da carne é facilmente perceptível, mas a segurança microbiológica é algo bem mais complexo”, finaliza a pesquisadora.


Fonte: ITAL


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Honeywell lança linha de filme de barreira termoformável para embalagens farmacêuticas no Brasil

Nova linha de filmes de barreira com custo mais efetivo atende às necessidades da indústria por produção e entrega mais rápidas.   — A Honeywell

Contra cross-linking de cápsulas gelatinosas, GELITA destaca linha de produtos RXL na FCE Pharma

Além de ampliar shelf life das cápsulas gelatinosas, tecnologias patenteadas anti cross-linking da GELITA garantem ação mais rápida de medicamentos e suplementos, maior estabilidade, ou

Energia renovável: especialistas debatem o futuro do petróleo e as melhores alternativas energéticas

Foto de capa: ©Fotolia, TimSiegert-batcam A dependência do desenvolvimento do mundo baseado nos combustíveis fósseis tem dias contados, segundo especialistas participantes do terceiro episódio do

Sustentabilidade e desenvolvimento: Braskem e Earth Animal ampliam uso de embalagens de Plástico Verde

Mais de 150 marcas no mundo já usam plástico de origem renovável em embalagens O plástico é hoje um dos principais agressores do meio ambiente:

24ª edição da FCE Cosmetique mostra ao mercado produtos veganos e protetor,criado a partir do DNA, para asiáticos

A próxima edição daFCE Cosmetique já começa na próxima terça-feira (21), e apresentará as principais tendências e lançamentos para os setores cosméticos e farmacêuticos, com

Seções
Fechar Menu