fbpx

Gehaka apresenta sistema de purificação de água para uso farmacêutico

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Empresa implanta a combinação de eletrodeionização, ultrafiltração e sanitização a quente em seus purificadores

O consumo regular de água é um dos principais pilares da nossa saúde e alguns especialistas recomendam até mesmo bebermos dois litros por dia. Filtrada, purificada ou da torneira, a água potável que usamos para fazer um suco de laranja, por exemplo, pode ser considerada livre de impurezas – mas não o suficiente para o uso em medicamentos injetáveis, cosméticos e derivados.

A Gehaka, referência em purificação de água para uso farmacêutico, chega hoje a um nível acima no que diz respeito a esse procedimento. A empresa é a primeira no Brasil a incorporar o sistema de eletrodeionização em seus purificadores. Por meio do seu sistema, CEDI UF HS, a empresa traz ao mercado um modelo mais barato, eficaz e também mais sustentável.

“O custo de operação é significativamente mais baixo do que os processos de troca de íons convencionais e o investimento de capital também é menor, principalmente por não ser necessário o uso de equipamentos de armazenamento químico, bombeamento e neutralização. O CEDI UF HS exige menos atenção do operador, menos custos de mão-de-obra e é mais compacto do que os processos convencionais”, comenta engenheiro de produção da Gehaka, Eduardo Horn.

O processo de purificação da água para uso farmacêutico é baseado na eliminação de impurezas até se obterem níveis preestabelecidos em compêndios oficiais aprovados pelas autoridades sanitárias, como a ANVISA (Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária). “Essa inovação faz com que os equipamentos da empresa ofereçam água em constante nível de pureza, sem acúmulo de íons”, complementa Horn.

Trata-se de um processo contínuo, no qual o campo elétrico proporciona um ambiente bacteriostático dentro da célula do CEDI UF HS, inibindo o crescimento de bactérias e de outros organismos. Outra vantagem é que a regeneração não utiliza produtos químicos, o que significa um ambiente de trabalho mais seguro, já que não há necessidade de armazenar ou de manipular ácidos e cáusticos perigosos.

Com essa tecnologia, o processo de osmose reversa passa a ser encarado hoje como um pré-tratamento pela Gehaka. Entre as empresas que já trabalham com o novo sistema de eletrodeionização estão multinacionais como a Bayer, além de outras grandes companhias da área de oftalmologia e healthtechs.


Fonte: PROS


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Anvisa orienta sobre o C. auris, o superfungo que está preocupando autoridades. Veja aqui.

Ontem, por meio da revista NewsLab, divulgamos uma matéria detalhada sobre o Candida auris (leia aqui), o fungo multirresistente que está alertando autoridades de todo

Exclusivo: bioMérieux Brasil fala sobre garantia da integridade dos dados com testes microbiológicos automatizados

Veja material exclusivo da revista Analytica sobre a garantia da integridade de dados com Testes Microbiológicos feito pela empresa multinacional de biotecnologia bioMérieux. Autores: Dra.

Oportunidade: Bayer abre inscrições para Programa de Estágio em 2019

A Bayer, multinacional alemã com foco em Ciências da Vida, busca 40 jovens profissionais para seu Programa de Estágio Agro 2019, que está com inscrições

Poluição de Manaus causa impacto brutal na Floresta Amazônica, aponta estudo

Grupo de pesquisadores descobriram que a poluição de Manaus, capital do Estado do Amazonas, aumenta para além do esperado a formação de aerossóis produzidos pela

Oportunidade: UFSCar seleciona bolsista de pós-doutorado em Química

O Programa de Pós-Graduação em Química (PPGQ) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), uma das maiores universidades federais do país, está com inscrições abertas

Seções
Fechar Menu