fbpx

Energia renovável: especialistas debatem o futuro do petróleo e as melhores alternativas energéticas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Foto de capa: ©Fotolia, TimSiegert-batcam

A dependência do desenvolvimento do mundo baseado nos combustíveis fósseis tem dias contados, segundo especialistas participantes do terceiro episódio do programa Ciência Aberta em 2019, fruto da parceria entre FAPESP com o jornal Folha de S. Paulo.. Diante disso, as alternativas energéticas renováveis abrem um novo campo de pesquisa e de emprego mais bem remunerado e qualificado para as futuras gerações.

Ciência aberta, parceria entre Fapesp e Folha debate energia renovável. (Reprodução de vídeo).

“Ela não pode ser gerada de forma tão centralizada como uma refinaria de petróleo ou uma central nuclear. A bioenergia pressupõe uma distribuição maior [dos empregos e recursos]”, disse Luiz Augusto Horta Nogueira, pesquisador associado do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético da Universidade Estadual de Campinas (Nipe-Unicamp) e consultor de agências das Nações Unidas.

Para os pesquisadores, a bioenergia é mais democrática do que as fontes tradicionais, como por exemplo, a produção de cana-de-açúcar para fabricação de etanol levou ciência e tecnologia para o interior do Estado de São Paulo, inclusive para regiões onde nem sequer havia estrutura para produzir alimentos, apontou Rubens Maciel Filho, professor da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN). Estudos mostram ainda que a instalação de uma usina de etanol e açúcar traz ganhos para três ou quatro cidades no seu entorno, demonstrando como o impacto social da chamada bioeconomia é uma realidade no Brasil.

Com o aumento da demanda de energia em todo o mundo e com o avanço das questões climáticas que geram todos os anos cada dia mais consequências para as populações, as fonte renováveis abrem mais espaço no ramo. Especialistas apontam que fontes como a cana-de-açúcar, a energia solar e a eólica algumas das melhores alternativas.

“A cada segundo se queima neste planeta mil barris de petróleo. É o equivalente a uma piscina olímpica. Imagine em um ano! Então, nós estamos frente a uma nova mudança”, disse Nogueira.

O novo episódio de Ciência Aberta, “Bioenergia e outras opções para o Brasil”, pode ser visto em: www.fapesp.br/ciencia-aberta.

informações reproduzidas do site da Unicamp: acesse aqui na íntegra.

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Trinity Biotech inaugura fábrica para produção de reagentes para diagnóstico in vitro

A Trinity Biotech do Brasil, cada vez mais comprometida com o mercado brasileiro, inaugurou uma fábrica em Extrema – Minas Gerais, localizada a pouco mais de 100 km do

Artigo científico: Avaliação da qualidade microbiológica e físico-química de méis

  AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE MÉIS COMERCIALIZADOS EM MUNÍCIPIOS DO ESTADO DE ALAGOAS  O mel é um dos alimentos mais puros da

Nova iniciativa de resíduos plásticos oferece o primeiro esquema de crédito baseado no mercado para acelerar a recuperação e a reciclagem

A Iniciativa 3R reúne ONGs, especialistas e as grandes empresas como Danone, Nestlé, Tetra Pak e Veolia em modelos de negócios pioneiros de “economia circular”

ARTIGO: Sequenciamento das regiões F(ab)-12 LC e F(ab)-12 HC do anticorpo monoclonal humanizado bevacizumabe: um estudo multicêntrico 

Sequenciamento das regiões F(ab)-12 LC e F(ab)-12 HC do anticorpo monoclonal humanizado bevacizumabe: um estudo multicêntrico   Eduardo de Souza Matos1, Ronaldo Mohana-Borges*1, Vitor Marcel Faça*2, Fábio César Gozzo*3, Wagner Fontes4,

Serviços Sartorius: seu equipamento sempre em sua melhor performance

Serviços Sartorius – seu equipamento sempre em sua melhor performance    A equipe de Serviços da Sartorius do Brasil está pronta para ajudar aos clientes

Seções
Fechar Menu