fbpx

Energia renovável: especialistas debatem o futuro do petróleo e as melhores alternativas energéticas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Foto de capa: ©Fotolia, TimSiegert-batcam

A dependência do desenvolvimento do mundo baseado nos combustíveis fósseis tem dias contados, segundo especialistas participantes do terceiro episódio do programa Ciência Aberta em 2019, fruto da parceria entre FAPESP com o jornal Folha de S. Paulo.. Diante disso, as alternativas energéticas renováveis abrem um novo campo de pesquisa e de emprego mais bem remunerado e qualificado para as futuras gerações.

Ciência aberta, parceria entre Fapesp e Folha debate energia renovável. (Reprodução de vídeo).

“Ela não pode ser gerada de forma tão centralizada como uma refinaria de petróleo ou uma central nuclear. A bioenergia pressupõe uma distribuição maior [dos empregos e recursos]”, disse Luiz Augusto Horta Nogueira, pesquisador associado do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético da Universidade Estadual de Campinas (Nipe-Unicamp) e consultor de agências das Nações Unidas.

Para os pesquisadores, a bioenergia é mais democrática do que as fontes tradicionais, como por exemplo, a produção de cana-de-açúcar para fabricação de etanol levou ciência e tecnologia para o interior do Estado de São Paulo, inclusive para regiões onde nem sequer havia estrutura para produzir alimentos, apontou Rubens Maciel Filho, professor da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN). Estudos mostram ainda que a instalação de uma usina de etanol e açúcar traz ganhos para três ou quatro cidades no seu entorno, demonstrando como o impacto social da chamada bioeconomia é uma realidade no Brasil.

Com o aumento da demanda de energia em todo o mundo e com o avanço das questões climáticas que geram todos os anos cada dia mais consequências para as populações, as fonte renováveis abrem mais espaço no ramo. Especialistas apontam que fontes como a cana-de-açúcar, a energia solar e a eólica algumas das melhores alternativas.

“A cada segundo se queima neste planeta mil barris de petróleo. É o equivalente a uma piscina olímpica. Imagine em um ano! Então, nós estamos frente a uma nova mudança”, disse Nogueira.

O novo episódio de Ciência Aberta, “Bioenergia e outras opções para o Brasil”, pode ser visto em: www.fapesp.br/ciencia-aberta.

informações reproduzidas do site da Unicamp: acesse aqui na íntegra.

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Cora 100: espectrômetro portátil, rápido e compacto da linha Raman Cora

A Anton Paar apresenta o mais novo membro da família de espectrômetros Raman Cora: o espectrômetro Raman de mão Cora 100, rápido e compacto, é perfeitamente adequado para a

Colunas para cromatografia gasosa da Zebrom tem qualidade internacionalmente reconhecida

A Zebrom produz colunas para cromatografia gasosa (GC) desenvolvidas por cientistas especializados da Phenomenex com a melhor tecnologia do mercado. Como comprovação de sua eficiência, foi reconhecida com três prêmios

Linha SafePack do Grupo Polar mantem estabilidade sob temperaturas extremas por muito mais tempo

Novas tecnologias, que foram apresentadas na 24 ª FCE Pharma, foram desenvolvidas para manter e garantir estabilidade sob temperaturas extremas por muito mais tempo  

15ª edição da Analitica Latin America traz Rodada de Negócios: espaço reservado para a efetivação de negócios

Reprodução de Analitica Latin America A Analitica Latin America, visando proporcionar mais oportunidades de negócios aos seus expositores, preparou uma novidade para esse ano. No

Revista Analytica: a revista do controle de qualidade industrial

Na edição simbólica de número 100 da Revista Analytica, trazemos dois grandes artigos para fornecer bases científicas para todos que atuam na área. No ramo

Seções
Fechar Menu