fbpx

Energia renovável: especialistas debatem o futuro do petróleo e as melhores alternativas energéticas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Foto de capa: ©Fotolia, TimSiegert-batcam

A dependência do desenvolvimento do mundo baseado nos combustíveis fósseis tem dias contados, segundo especialistas participantes do terceiro episódio do programa Ciência Aberta em 2019, fruto da parceria entre FAPESP com o jornal Folha de S. Paulo.. Diante disso, as alternativas energéticas renováveis abrem um novo campo de pesquisa e de emprego mais bem remunerado e qualificado para as futuras gerações.

Ciência aberta, parceria entre Fapesp e Folha debate energia renovável. (Reprodução de vídeo).

“Ela não pode ser gerada de forma tão centralizada como uma refinaria de petróleo ou uma central nuclear. A bioenergia pressupõe uma distribuição maior [dos empregos e recursos]”, disse Luiz Augusto Horta Nogueira, pesquisador associado do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético da Universidade Estadual de Campinas (Nipe-Unicamp) e consultor de agências das Nações Unidas.

Para os pesquisadores, a bioenergia é mais democrática do que as fontes tradicionais, como por exemplo, a produção de cana-de-açúcar para fabricação de etanol levou ciência e tecnologia para o interior do Estado de São Paulo, inclusive para regiões onde nem sequer havia estrutura para produzir alimentos, apontou Rubens Maciel Filho, professor da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN). Estudos mostram ainda que a instalação de uma usina de etanol e açúcar traz ganhos para três ou quatro cidades no seu entorno, demonstrando como o impacto social da chamada bioeconomia é uma realidade no Brasil.

Com o aumento da demanda de energia em todo o mundo e com o avanço das questões climáticas que geram todos os anos cada dia mais consequências para as populações, as fonte renováveis abrem mais espaço no ramo. Especialistas apontam que fontes como a cana-de-açúcar, a energia solar e a eólica algumas das melhores alternativas.

“A cada segundo se queima neste planeta mil barris de petróleo. É o equivalente a uma piscina olímpica. Imagine em um ano! Então, nós estamos frente a uma nova mudança”, disse Nogueira.

O novo episódio de Ciência Aberta, “Bioenergia e outras opções para o Brasil”, pode ser visto em: www.fapesp.br/ciencia-aberta.

informações reproduzidas do site da Unicamp: acesse aqui na íntegra.

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Honeywell lança linha de filme de barreira termoformável para embalagens farmacêuticas no Brasil

Nova linha de filmes de barreira com custo mais efetivo atende às necessidades da indústria por produção e entrega mais rápidas.   — A Honeywell

Contra cross-linking de cápsulas gelatinosas, GELITA destaca linha de produtos RXL na FCE Pharma

Além de ampliar shelf life das cápsulas gelatinosas, tecnologias patenteadas anti cross-linking da GELITA garantem ação mais rápida de medicamentos e suplementos, maior estabilidade, ou

Sustentabilidade e desenvolvimento: Braskem e Earth Animal ampliam uso de embalagens de Plástico Verde

Mais de 150 marcas no mundo já usam plástico de origem renovável em embalagens O plástico é hoje um dos principais agressores do meio ambiente:

24ª edição da FCE Cosmetique mostra ao mercado produtos veganos e protetor,criado a partir do DNA, para asiáticos

A próxima edição daFCE Cosmetique já começa na próxima terça-feira (21), e apresentará as principais tendências e lançamentos para os setores cosméticos e farmacêuticos, com

Kasvi leva “Cientista diferentão” para evento da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular

Reunião anual, que acontece de 14 a 17 de maio em Águas de Lindoia (SP), conta com ações criativas e lançamento de produto da brasileira

Seções
Fechar Menu