fbpx

Do sonho à realização: CRAL 40 anos de história | Analytica 90

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Fundada em março de 1977 pelo jovem casal Minela e Romeo Cecconello, a CRAL era um sonho em suas mentes… o sonho de começar uma nova vida no Brasil.

Modesto, o negócio funcionava ao lado da residência da família. Ali eram comercializados os primeiros produtos – entre os principais, as ponteiras tipo MLA – distribuídos para clientes da grande São Paulo.

Tinha início então uma história com empenho, determinação e sucesso daquela que viria a ser uma das mais importantes empresas produtoras e importadoras de insumos médicohospitalares do país. Do começo modesto como uma pequena distribuidora, a empresa conquistou o mercado e passou a ditar inovações para o setor, sendo rapidamente reconhecida no Brasil e no exterior.

No início dos anos 80 a determinação dos fundadores fez com que a Empresa se transformasse em uma grande distribuidora de vidraria, equipamentos e reagentes em São Paulo, que culminou na consolidação da CRAL no mercado como um dos mais sólidos nomes.

Na década seguinte o falecimento do fundador fez com que a esposa tomasse a direção da empresa e, algum tempo depois, a segunda geração – Ricardo e Rony Cecconello, filhos do casal – passaram a participar ativamente do dia a dia da empresa.

Já estabelecida, a companhia alçava vôos maiores e, em 1995, lançou o projeto de importação de insumos descartáveis. Começava então a movimentação para se consolidar como uma das principais importadoras brasileiras de itens plásticos para a área diagnóstica.

“A partir daí, ampliamos os horizontes e percebemos que a CRAL estava crescendo”, relembra Minela Pascal Cecconello. “Passamos a oferecer uma vasta linha de descartáveis. Com isso nos tornamos uma das maiores importadoras do segmento expandindo o atendimento em nível nacional”, enfatiza a fundadora.

O ano seguinte foi marcado pela participação da empresa em importantes eventos do setor. “Começamos a difundir a marca entre os principais formadores de opinião”, diz o diretor Ricardo Cecconello, que acrescenta: “Desde então não paramos de participar dos principais encontros do setor”.

Ao longo da década seguinte a CRAL experimentou uma expansão ímpar: nova logomarca, nova comunicação, novo posicionamento e a inauguração de sua fábrica sinalizaram a entrada em uma nova era. Cada vez mais voltada à excelência, a empresa passou a investir pesado em sua unidade fabril, ganhando o reconhecimento como indústria plástica logo após a inauguração de suas novas instalações em 2002.

Mão de obra qualificada, certificações e participação nos mais importantes eventos nacionais e internacionais passaram a figurar na rotina da companhia, que passou a fabricar tubos e tampas plásticas, placas de petri PS, kits e coletores de urina. “A receptividade do mercado mostrou que estávamos no caminho certo”, diz o diretor Rony Cecconello, relembrando o sucesso atingido pela linha de produtos.

Mas os avanços não pararam por aí. Após a inauguração em 2002 do moderno pólo industrial na cidade de Cotia, região Metropolitana de São Paulo, a CRAL ampliou ainda mais a infraestrutura e recursos de alta tecnologia para produção e estocagem de produtos plásticos em ambiente controlado.

A partir de 2009 a demanda impulsionou nova expansão da estrutura. O foco no atendimento e no desenvolvimento de produtos cada vez mais customizados para atender as necessidades demandou uma nova e estratégica expansão e a inauguração do segundo prédio.

Os investimentos também foram aumentando na mesma proporção: maquinário, moldes, certificações… tudo pensado para ampliar o portfólio e atender as divisões Diagnóstica, Biociência, Hospitalar e Farma. “Nossa postura e seriedade virou referência no setor, assim como a qualidade e competitividade dos nossos produtos”, lista o diretor Rony Cecconello.

1

Em 2013 o terceiro prédio do complexo fabril foi inaugurado, totalizando mais de 10.000m2. “Foi então que nos demos conta de que havíamos nos transformado em uma das maiores empresas do segmento no Brasil. O sonho se transformou em uma realidade promissora, recorda Ricardo Cecconello.

Ao longo das quatro décadas em operação a CRAL vem fazendo história e se destacando pela capacidade de atender as mais distintas demandas com soluções de qualidade, pautadas pela excelência. “Passamos a escrever um importante capítulo na indústria médico-hospitalar brasileira”, atesta Ricardo.

Reconhecida pelo pioneirismo e qualidade, a empresa se especializou na fabricação de coletores e kits de urina, placas de Petri em PS , espéculo vaginal, espátula plástica de Ayre, tubos e tampas plásticas, microplacas e alças calibradas entre inúmeros outros itens que compõem um portfólio de mais de 700 produtos. Um completo sistema de logística integrado à distribuição e aliado ao serviço de atendimento customizado, proporciona aos clientes soluções para as mais diversas demandas.

De capital 100% nacional, a CRAL atravessou fronteiras e conquistou importantes parceiros mundiais para importação e exportação de seus produtos e, desde 2015, exporta para a América Latina obedecendo aos mais rigorosos padrões internacionais de qualidade. Tudo respaldado pelo profissionalismo de uma equipe de mais de 200 colaboradores, comprometidos em manter o DNA da empresa em todos os processos.


Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Linha SafePack do Grupo Polar mantem estabilidade sob temperaturas extremas por muito mais tempo

Novas tecnologias, que foram apresentadas na 24 ª FCE Pharma, foram desenvolvidas para manter e garantir estabilidade sob temperaturas extremas por muito mais tempo  

15ª edição da Analitica Latin America traz Rodada de Negócios: espaço reservado para a efetivação de negócios

Reprodução de Analitica Latin America A Analitica Latin America, visando proporcionar mais oportunidades de negócios aos seus expositores, preparou uma novidade para esse ano. No

Revista Analytica: a revista do controle de qualidade industrial

Na edição simbólica de número 100 da Revista Analytica, trazemos dois grandes artigos para fornecer bases científicas para todos que atuam na área. No ramo

CTG Brasil investe mais de R$4 milhões em projeto para geração de biocombustível

Projeto sobre macrófitas, em parceria com o Senai, terá duração de três anos e receberá investimento de R$ 4,6 milhões   A CTG Brasil, segunda

Quase invisíveis: novas técnicas analíticas detectam contaminantes emergentes e perigosos

TEXTO LUIZ SUGIMOTO | FOTOS ANTONIO SCARPINETTI | EDIÇÃO DE IMAGEM LUIS PAULO SILVA  Imprensa UNICAMP Os contaminantes emergentes são assim chamados porque falta legislá-los,

Seções
Fechar Menu