fbpx

Curso de Engenharia de Alimentos da UFSCar recebe avaliação positiva do MEC

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Avaliação destacou qualidade do corpo docente e valoriza a proposta pedagógica diferenciada

O curso de Engenharia de Alimentos do Campus Lagoa Sino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) concluiu recentemente o processo de avaliação pelo Ministério da Educação (MEC) para reconhecimento do curso, tendo recebido a nota 4. A nota 4 – em uma escala na qual o máximo é 5 – é concedida aos cursos que apresentam um perfil qualificado como “muito bom”, com base em três dimensões: organização didático-pedagógica; corpo docente e tutorial; e infraestrutura.

A comissão de avaliação designada pelo MEC esteve no Campus Lagoa do Sino no mês de setembro. Em seu parecer, destacaram-se de forma positiva especialmente o projeto pedagógico e o corpo docente. “Acredito que a nota reflete um bom desempenho da estrutura pedagógica diferenciada que, no início, inclusive, levantava questionamentos. No diálogo com os avaliadores, apareceu como vantagem dessa estrutura a sua abordagem interdisciplinar; importante também é a sua contextualização na prática, através de situações-problema que integram conteúdos de aprendizagem. Outro diferencial é o perfil de formação, que visa contribuir com o desenvolvimento regional”, registra o Coordenador do curso, Angelo Luiz Fazani Cavallieri. Em relação ao corpo docente, além da titulação, do regime de trabalho em dedicação exclusiva, da experiência de magistério e da produção científica, os avaliadores valorizaram o envolvimento na discussão do projeto pedagógico e de sua implantação. “Um aspecto relevante foi que nos reunimos nos conselhos com frequência, para debater os aspectos relativos à condução da implantação do curso, e isto marcou muitos pontos positivos”, atesta Cavallieri.

Luiz Manoel de Moraes Camargo Almeida, Diretor do Centro de Ciências da Natureza (CCN) do Campus Lagoa do Sino, também celebra o resultado, avaliando que ele mostra como o curso está em consonância com o histórico de qualidade acadêmica da UFSCar, mesmo considerando os desafios próprios de um campus novo, em um território desfavorecido e sem cultura universitária e em um momento difícil para a economia e a Educação brasileiras. Já a estudante Sarah Mafeis de Jesus, que ingressou em 2014, na primeira turma do curso de Engenharia de Alimentos, também destaca a formação diferenciada, que confere ao aluno, “além da formação básica, […] uma visão crítica, mais global e social”. A estudante valoriza sobretudo oportunidades como as de participação em projetos de extensão, pesquisas, trabalhos em grupo, visitas técnicas e aulas práticas.

Para o futuro, o Coordenador do curso vislumbra um trabalho de consolidação. “Essa consolidação só se concretiza com a formação das primeiras turmas. O corpo docente deve estar atento para discutir e avaliar as reais necessidades de modificações, sempre considerando os aspectos positivos já alcançados. O próximo trabalho que está por vir é de adequação curricular, considerando a contribuição dos docentes que não estavam presentes no momento da criação, bem como a contribuição relevante da comunidade discente”, avalia Cavallieri. “A mediação desse processo deve ser feita em uma perspectiva de muito diálogo com toda a comunidade acadêmica, para que o coletivo anteceda as opiniões individuais”, complementa.

O curso

Implantado em 2014, o curso de Engenharia de Alimentos do Campus Lagoa do Sino da UFSCar oferta anualmente 50 vagas e tem duração de cinco anos em período integral. O curso busca formar profissionais capazes de desempenhar as atividades de Engenharia dentro das indústrias alimentícias, com amplo conhecimento também das Ciências Humanas, juntamente à formação básica nas Ciências Exatas e Biológicas. Visa também desenvolver habilidades de identificação das potencialidades produtivas regionais e otimizar a capacidade de processamento desses recursos, buscando contribuir para o desenvolvimento regional com inserção segura dos pequenos e médios produtores em amplos mercados de distribuição de alimentos. Saiba mais sobre o curso no site do Campus (www.lagoadosino.ufscar.br).


 

Acesse a ultima edição da Analytica

Ultimas Notícias

Gelita apresenta amplo e diferenciado portfólio de gelatinas de aplicação industrial na FCE Pharma

A Gelita, a empresa líder mundial no fornecimento de proteínas de colágeno para diversos ramos da indústria, participou da FCE Pharma 2019 colocando à mostra

Tecnologia, qualidade e menor custo: conheça softwares da Merck que prometem mudar a lógica da indústria farmacêutica

Presente na FCE Pharma de 2019, a Merck trouxe inovações que prometem mudar o curso da indústria farmacêutica: aliando tecnologia, produção e custos. Com mudanças

Equipamento de gerenciamento integral da cadeia fria: conheça Polar Tracker, da o Grupo Polar

Em um país como o Brasil, que possui uma variedade de temperatura tão grande, é um desafio manter a eficácia do medicamento durante o transporte

Honeywell lança linha de filme de barreira termoformável para embalagens farmacêuticas no Brasil

Nova linha de filmes de barreira com custo mais efetivo atende às necessidades da indústria por produção e entrega mais rápidas.   — A Honeywell

Contra cross-linking de cápsulas gelatinosas, GELITA destaca linha de produtos RXL na FCE Pharma

Além de ampliar shelf life das cápsulas gelatinosas, tecnologias patenteadas anti cross-linking da GELITA garantem ação mais rápida de medicamentos e suplementos, maior estabilidade, ou

Seções
Fechar Menu